Livro para celular é febre no Japão

17 08 2010

Do outro lado do mundo, a leitura de livros pelo celular já é uma realidade com grandes implicações mercadológicas.

Para ter uma idéia, dos dez livros mais vendidos no Japão em 2007, cinco foram feitos originalmente para o telefone portátil.

Alguns desses romances foram escritos com o próprio celular. Esse fenômeno parece ter origem em uma decisão das operadoras de telefonia móvel japonesas de permitir a transmissão ilimitada de dados.

Assim os jovens loucos pelo seu aparelhinho, e que já escreviam em seus blogs, passaram a escrever diariamente pequenos trechos pelo celular e a enviá-los para os seus weblogs. Nascia assim a literatura feita por e para jovens.

LEIA TAMBÉM:
Será que o futuro do livro é multimídia?

Novo tipo de leitor está em formação, diz estudo

Kindle, da Amazon, inova, mas é barrado a não-americanos

Editoras brasileiras vão oferecer mais audiolivros

Editores temem disseminação da pirataria na web

‘A pirataria é sobretudo uma forma de divulgar o trabalho’

Busca-se uma nova forma de literatura

‘Todas as formas de entretenimento online são nossos concorrentes’

Leia original aqui

Matéria publicada por @brunogalo no caderno Link do Estadão de 11 de agosto de 2008

Anúncios




Acredite, sua câmera é capaz de boas fotos

18 01 2010

Digital mudou (quase) tudo na fotografia a ponto de criar uma ‘cultura da câmera’; Link traz dicas para você acertar no clique

As câmeras fotográficas digitais – tradicionais ou em celulares – estão em toda parte: nas ruas, no ônibus, no metrô, no avião, no restaurante, na balada, no colégio ou na faculdade e até em ambientes de trabalho. Não há dúvida, nunca se fotografou tanto como hoje. Assim como, jamais se mostrou tanto o que se clica. Por fim, em tempo algum, o fotógrafo foi tão protagonista de suas próprias imagens. Esses dois últimos exemplos, por sinal, são uma clara cortesia da internet e suas múltiplas redes de relacionamento.

Alguns pesquisadores, como o indiano Ramesh Raskar do MediaLab, laboratório de mídia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), nos EUA, um dos principais centros da vanguarda mundial de pesquisa em novas tecnologias, têm se dedicado ao estudo do tema. Para Raskar, o que estamos testemunhando é o surgimento de uma “cultura da câmera” (camera culture, em inglês).

Raskar defende que não se trata apenas de uma mera expansão quantitativa das imagens. O fato novo é o relacionamento entre as pessoas, mediado pela internet e baseado cada vez mais no registro e no desejo de se consumir imagens. O digital mudou tudo – ou quase – na fotografia. “Ela extrapolou suas fronteiras com o digital. E o mercado expandiu de tal forma que hoje todo mundo tem interesse nesse assunto”, observa Duda Escobar, show manager da PhotoImage Brazil, maior evento do setor da América Latina, que começa amanhã em São Paulo.

É preciso experimentar
De um jeito ou de outro, a boa notícia é que não importa qual a câmera que você tem ou pretende comprar. Ela é capaz de tirar boas fotos.

Leia mais aqui ou aqui.

Matéria de 10 de agosto de 2009 a quatro mãos: @brunogalo@joauricchio